Plano de classificação

Carta enviada por Ventura a Clara Carolina Malheiro Lobato Teles de Meneses

Ações disponíveis

Ações disponíveis ao leitor

Representação digital

Carta enviada por Ventura a Clara Carolina Malheiro Lobato Teles de Meneses

Consultar no telemóvel

Código QR do registo

Partilhar

 

Carta enviada por Ventura a Clara Carolina Malheiro Lobato Teles de Meneses

Detalhes do registo

Informação não tratada arquivisticamente.

Nível de descrição

Documento simples   Documento simples

Código de referência

PT/MPTL/ACP/07ª GERAÇÃO-7.1/001/001024

Tipo de título

Controlado

Título

Carta enviada por Ventura a Clara Carolina Malheiro Lobato Teles de Meneses

Datas de produção

1856-03-10  a  1856-03-10 

Dimensão e suporte

20,6x13,4cm; papel

Extensões

4 Páginas

Produtor

Clara Carolina Malheiro Lobato Teles de Meneses

Âmbito e conteúdo

Carta enviada de Braga por Ventura [Malheiro Reymão Marinho Lobato Teles de Meneses] à sua mãe Clara Carolina Malheiro Lobato Teles de Meneses.Morada: Viana do Castelo.

Assunto

Cota atual

ACP_5423

Idioma e escrita

Português

Características físicas e requisitos técnicos

Bom estado de conservação

Transcrição

Ilma. Exma. Sra.Minha querida Mãe do meu Coração. Recebo a hoje a carta de V. Ex.ª de 9 e muito estimo as notícias de V. Ex.ª e que todos estejam bons.Sei por carta do Abade que ele saía no sábado daí para Tregosa. Eu minha querida Mãe, ultimamente quando aí estive disse a V. Ex.ª que de todo me era impossível deixar de casar porque se isso pudesse ser então V.Ex.ª não sabe, que conhecendo eu que V. Ex.ª não quer isto, a quem o havia eu de fazer se não a V. Ex.ª, que os outros digam o que querem, valendo-se desta ocasião para isso!!!! Eu mandei aí o Abade para declarar a V. Ex.ª tudo, sou muito amigo de V. Ex.ª custa-me ao infinito fazer uma coisa que não seja de aprovação de V. Ex.ª mas não posso, dizendo isto, tenho dito tudo; uma só coisa pedia a V. Ex.ª, pelo amor de Deus que me sossegasse o meu espírito, consciência, ficando V. Ex.ª na certeza que o não faço por desobediência, porque não sou desobediente, nem nunca por caso algum deixarei de ser de V. Ex.ª muito respeitador e humilde filho. V. Ex.ª deite-me a sua bênção e creia, que quanto disser a V. Ex.ª é a verdade. Tenho consultado, porém V. Ex.ª não acredita o que digo, e então a seu tempo se saberá a verdade.Abraço muito às manas e sou com toda a consideração,De V. Ex.ª Filho muito obediente e obrigado,VenturaBraga, 2ª feira

Estado documento